Extrafruti fortalece relacionamento com produtores rurais e investe em tecnologia para aprimorar seleção de produtos

sobre quem somos - Fucape Business School
Centro de distribuição e administração da Extrafruti em Primavera, Viana. Foto: Divulgação.

Há 17 anos levando alimentos de qualidade direto da horta para o consumidor, a Extrafruti é uma das apoiadoras da 2ª Edição do B-tech Congress, o Congresso de Pesquisas Tecnológicas em Negócios, evento promovido pela Fucape Business School, entre os dias 17 e 20 de novembro.  

Antes de ser rebatizada como Extrafruti, a empresa iniciou suas atividades como Batalha Atacado em 2004, nas Centrais de Abastecimento do Espírito Santo (Ceasa), em Cariacica. Dois anos depois, a marca estava consolidada no setor de hortifrutigranjeiros e trabalhando no fornecimento de uma grande rede de supermercados.  

Segundo a Diretora de Serviços Compartilhados da Extrafruti, Flávia Rapozo, a iniciativa de patrocinar o B-tech pela segunda vez, vem da crença sobre a importância de mercado e academia encurtarem as distâncias e aprimorarem seus processos em busca de melhores práticas. 

“Por muito tempo valeu a máxima ‘na prática a teoria é outra’ porém, é importante que esse paradigma seja quebrado, uma vez que o mercado está cada vez mais dinâmico e as empresas podem usufruir de muitas informações geradas pelos alunos das instituições de ensino superior. Além disso, na ótica das instituições, um grande desafio é obter dados para pesquisas aplicadas, nesse sentido, o estreitamento da parceria é fundamental, e todos os lados ganham”, afirma.  

Para alcançar um alto nível de qualidade dos produtos fornecidos, a Extrafruti realiza o monitoramento da cadeia produtiva e fortalece o relacionamento com os produtores rurais, estimulando boas práticas agrícolas, além de estar sempre atenta às novidades do mercado.

Novo Centro de Distribuição

A empresa está em processo de mudança para um novo Centro de Distribuição em Areinha, Viana. Com o novo espaço, será possível aumentar em até quatro vezes a capacidade para carga e descarga de produtos.  

“O CD será totalmente climatizado, possibilitando a manutenção da cadeia de frio, o que contribuirá para redução das perdas e maior vida útil dos produtos. Além disso, a empresa investirá em máquinas e equipamentos que possibilitarão aprimorar o processo de seleção e distribuição dos produtos, impactando também na qualidade do alimento que chega à mesa dos clientes das redes atendidas pelos nossos CD´s”, detalha Flávia.  

Desafio para a empresa e oportunidade para o pesquisador  

Segundo a Diretora de serviços, um dos desafios do negócio que pode inspirar futuros artigos é buscar formas de aliar os avanços tecnológicos, sem perder a qualidade e o cuidado do manuseio com os produtos.  

“A empresa trabalha com produtos perecíveis, em sua maioria hortifrutigranjeiros in natura, os quais, por longo tempo, tem sido recebidos, armazenados e transportados utilizando muitas técnicas manuais. O investimento em máquinas e equipamentos que selecionam automaticamente tais produtos pode contribuir para redução das perdas que são representativas no segmento. Além disso, um outro desafio é a previsibilidade de compras e vendas, considerando que muitas variáveis impactam no modelo de previsão, tais como mudanças climáticas, questões de safra, câmbio, dentre outras”, pontua.  

Patrícia Meireles

Comunicação Fucape

Compartilhe

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Artigos Relacionados

NOTA DE PESAR

Comunicamos, com pesar, o falecimento do Sr. Ernesto Rubens Gelbcke. Gelbcke realizou a aula inaugural do primeiro mestrado da Fucape, no ano 2000. Também foi

Skip to content